Quinta-feira, 25 de julho de 2024
informe o texto

DENÚNCIA RECEBIDA

Justiça torna 4 médicos réus por morte de vendedora de veículos após plástica em Cuiabá

Profissionais responderão por homicídio culposo por ignorarem recomendações em casos de cirurgias não urgentes

Foto: Reprodução

Justiça torna 4 médicos réus por morte de vendedora de veículos após plástica em Cuiabá
O juiz João Bosco Soares da Silva, da 10ª Vara Criminal de Cuiabá, acatou denúncia e tornou réus os médicos Bruno Spadoni Neto, Alexandre Rezende Veloso, Klayne Moura Teixeira de Souza e Christiano Camargo Prado. Eles haviam sido denunciados por homicídio culposo em decorrência da morte da vendedora de veículos, Keitiane Eliza da Silva, 27 anos, ocorrida no dia 14 de abril de 2021, após ela passar por três procedimentos estéticos na Clínica Valore Day, em Cuiabá.

Na decisão em que recebeu a denúncia, o magistrado citou que existem indícios de autoria do crime contra os réus. "Os indícios de autoria e materialidade estão caracterizados pelo Boletim de Ocorrência
n. 2021.209869, Laudos e Termos de Depoimentos", escreveu.


Ainda na decisão, o juiz deu 10 dias para os réus apresentarem resposta à acusação. "Na resposta, o acusado poderá arguir preliminares e alegar tudo que interesse a sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas, até o máximo de 08 (oito), qualificando-as e requerendo sua intimação", colocou.

Caso eles não se manifestem, um defensor público será nomeado para defendê-los.

CASO

Keitiane Eliza da Silva, 27 anos, morreu em abril de 2021 após sofrer choque hemorrágico em decorrência de três cirurgias plásticas realizdas na Clínica Valore Day. 

Conforme investigação da Polícia Civil, a vítima passou por exames pré-operatórios que indicaram sua aptidão para a cirurgia. Durante esses exames, foi identificada uma pequena mancha no pulmão (vidro fosco), mas que não foi considerada um fator impeditivo para realizar os procedimentos estéticos.

Após as cirurgias de lipoaspiração, mastopexia e abdominoplastia, Keitiane começou a se sentir mal, com falta de ar, quando já estava no quarto do hospital. Os médicos fizeram uma reavaliação para verificar se havia alguma complicação no pós-operatório.

No entanto, a paciente teve uma parada cardíaca e somente no final da madrugada de 14 de abril de 2021, a
equipe conseguiu uma vaga em uma Unidade de Terapia Intensiva em outra unidade particular de Cuiabá, uma vez que o hospital onde as cirurgias plásticas foram realizadas não tinha leito de UTI disponível.
 
Sitevip Internet