Imprimir
Imprimir Notícia

GILSON NASSER

04/12/2023 - 07:47 | Atualizada: 04/12/2023 - 09:43

Quadrilha movimentou 17 toneladas de mercúrio e lucrou R$ 40 milhões

O programa Domingo Espetacular (TV Record) mostrou detalhes do contrabando de mercúrio para os garimpos e grandes mineradoras das regiões Amazônicas e Centro Oeste. O esquema foi desbaratado na Operação Hermes Hg, que já mirou os contrabandistas e grandes produtores de ouro no país, entre eles, os empresários Valdinei Mauro de Souza, conhecido como "Rei do Ouro", e Luís Antônio Taveira Mendes, filho do governador Mauro Mendes Ferreira (União).

O programa mostrou líder do esquema é o ex-vereador de Cuiabá, Arnoldo Silva Veggi, conhecido como Dodo Veggi. No meio do mercado contrabandista, ele era chamado de Pablo Escobar do mercúrio.

Com base nas investigações, foi mostrado que, além do contrabando, a quadrilha comandada por "Dodo Veggi", ainda fornecia os documentos fiscais necessários para omitir o transporte do mercúrio para as mineradoras. "Para isso, usava no esquema empresas de reciclagem de mercúrio", descreve o jornalista, citando que a maior das recicladoras está localizada na cidade de Paulínia (SP).

A reportagem ainda mostra as "gambiarras" que eram feitas para fazer o mercúrio chegar ao Brasil. O metal é transportado por meio de fundos falsos de caminhonetes, cabeças falsas de martelo e frascos de xampús. A rota é a fronteira da Bolívia, México e também da China.

"Nós vamos ver durante as investigações que inúmeros foi observada documentações que eram descritas com materiais que pudesse disfarçar ou mascarar o transporte de mercúrio", diz o delegado da Polícia Federal.

LUCRO DE MILHÕES

O programa da Record relata que a quadrilha de contrabandistas teve lucro milionário com o esquema. As investigações relataram que ela pagava entre R$ 300 e R$ 500 por quilo de mercúrio no exterior e revendia por valor bem acima para as mineradoras.

"O quilo de mercúrio ilegalmente vendido no Brasil hoje, pode colocar aí entre R$ 1,2 mil e R$ 1,5 mil", disse o delegado. Ou seja, o lucro por quilo do metal era de 4 vezes mais.

A PF revelou que a quadrilha de Dodo Veggi movimentou 17 toneladas de mercúrio nos últimos anos. Destas, 8 toneladas foram rastreadas pela PF. "A polícia estima que a quadrilha faturou R$ 40 milhões em quatro anos", fala a reportagem.

Ao todo, mais de 30 empresas e de 80 pessoas são apontadas como clientes da organização criminosa. É neste grupo que estão Valdinei Mauro de Souza e Luís Antonio Taveira Mendes.

OUTRO LADO

A defesa de Arnoldo Veggi nega que o empresário tenha relação com contrabando de mercúrio. Além disso, está buscando anular a Operação Hermes (Hg), apontando ilegalidades na operação. "Esses vícios tem sim o poder de anular essa operação. Tem a apreensão ilegal e a manipulação também ilegal do celular do sr. Arnoldo", diz o advogado Fernando Faria.

A assessoria do governador Mauro Mendes destaca que o chefe do Executivo não é citado na investigação. Diz ainda que a inclusão de seu filho no processo foi um "erro" e será comprovado na Justiça. Já a defesa de Luís Antônio prevê que ficará comprovado que ele não tem qualquer relação com os fatos investigados.

A defesa de Valdinei Mauro de Souza não se pronunciou.

Veja reportagem do programa Domingo Espetacular:

 
 Imprimir