Imprimir
Imprimir Notícia

Da Redação

29/05/2024 - 15:02

Seduc leva estudantes com deficiência para assistir espetáculo circense em sessão adaptada

Mais de 300 estudantes com deficiência, acompanhados dos pais, tiveram a oportunidade de assistir a um espetáculo gratuito cheio de magia e diversão, nesta terça-feira (28), no Circo Maximus, em Cuiabá. A convite do circo, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT) levou os estudantes da educação especial para uma sessão adaptada a eles.

A ida ao circo foi organizada com o intuito de promover a inclusão dessas crianças, proporcionando-lhes a oportunidade de interagir com o espetáculo, se divertindo em um ambiente lúdico e acolhedor. Para muitas delas, foi a primeira vez que tiveram contato com um espetáculo circense, o que tornou a experiência ainda mais especial.

Ao longo do espetáculo, as crianças puderam se encantar com os malabaristas, palhaços e acrobatas. A alegria e a emoção eram visíveis em cada rosto presente na plateia, mostrando o quanto essa experiência significou para cada um deles.



Para Bem Hur de Jesus Vieira, diretor do circo, é gratificante poder proporcionar momentos de alegria e inclusão para as crianças especiais. “Hoje o circo vem se modernizando e a gente viu que faltava um espetáculo diferente para crianças com deficiência, com iluminação, som e tempo de duração adequados. É um público bem grande que tem o direito de chegar mais próximo da cultura circense. Ver o brilho nos olhos delas durante o espetáculo é algo que não tem preço”, acrescentou.

A mãe do Vitor, de 5 anos, Thaís Dias Melo, disse que a experiência é única e com certeza ficará marcada na memória do filho. “Essa iniciativa em que a Seduc está ajudando a proporcionar inclusão às crianças, é maravilhosa. Além da sessão ser gratuita, é totalmente adaptada a eles”, disse.

O pai do Natanel, de 8 anos, Fernando Rodrigues, comentou que a acessibilidade e facilidade em participar de uma sessão especial aos estudantes, enche os pais de alegria. “Muitos pais não têm condições financeiras de proporcionar a ida ao circo. Tem também a questão da mobilidade, que dificulta muito. Felizmente as escolas trouxeram todos de ônibus. Estou feliz só de ver meu filho se divertindo”, completou.

Na avaliação do secretário de Estado de Educação, Alan Porto, a ida ao circo não apenas proporcionou diversão e entretenimento, mas também promoveu a inclusão e a interação social dessas crianças autistas, cadeirantes, com deficiência mental e motora, mostrando que todos têm o direito de desfrutar de momentos de alegria e interação social”.

 
 Imprimir